Quinta-feira, 14 de Junho de 2007

A excêntrica família de Antônia


1995

Antonia

Holanda, Bélgica, Inglaterra

Holandês

102 min


Em minha opinião um filme bastante interessante, não somente pelo conteúdo, mas por ser holandês e falado em holandês. Trata-se de um filme que consegue uma mescla de cenas extremamente fortes (suicídio, estupro), com pitadas de comicidade.


Sinopses: O filme retrata com delicadeza o feminismo e a condição das mulheres num enredo que parte da vida de Antonia, uma mulher que volta à sua cidade natal logo após a Segunda Guerra para participar do enterro da mãe (cineinsite).


Definido como uma celebração da vida e da morte, esta co-produção entre Holanda, Bélgica e Inglaterra ganhadora do Oscar de Melhor Filme Estrangeiro vai além ao contar a história de uma encantadora geração de mulheres. Comandada por Antonia, a saga familiar atravessa três gerações, falando de força, de beleza e de escolhas que desafiam o tempo. Nesse universo conhecemos curiosos personagens, como o filósofo pessimista, a netinha superdotada, a filha lésbica, a avó louca, o padre herege, a amiga que adora procriar, a vizinha que sofre abusos sexuais e os muitos amigos que são acolhidos por sua generosidade (e-pipoca).


Antônia acorda e sabe que este é seu último dia de vida. No entanto, ela não está abalada. Faria tudo como sempre, chamaria os amigos e parentes, fecharia os olhos e morreria com o sentimento de dever cumprido.

Após essa breve apresentação, que é retomada mais tarde, voltamos ao passado para acompanhar a vida da matriarca Antônia, narrada por sua bisneta.

Antonia é uma personagem que vai se mostrando aos poucos. Quando ela regressa à sua cidade natal acompanhada pela filha Daniele, vinte anos depois de partir, elas não são muito bem recebidas no lugar, provavelmente devido ao passado de Antônia, que agora é viúva. Aos poucos, elas vão ajeitando suas vidas e conquistando as pessoas do lugar, que é cheio de problemas típicos de uma sociedade conservadora e cega. A rejeição torna-se ainda maior quando Daniele resolve ter um filho. Ela não quer casar e sai em busca de um pai apenas para gerar a criança. Quando sua barriga começa a aparecer, ela passa a atrair os olhos curiosos dos moradores e do padre que faz ironias durante a missa.

O tempo passa e a casa de Antônia vai se enchendo de gente: elas acolhem um deficiente mental que é maltratado pelas crianças da vila, a filha do vizinho - também deficiente -, abusada pelo irmão, e um viúvo cheio de filhos que quer se casar com ela. A casa de Antonia recebe todos os que precisam de sua ajuda, criando vínculos afetivos fortes entre pessoas muito diferentes, que se cuidam e se ajudam.

Muitas gerações se sucedem, a casa de Antônia se enche de crianças, e a solidariedade deles se sobressai naquela cidade hipócrita e conservadora, cheia de gente reprimida, que julga sem enxergar seus próprios defeitos.

Nesta família, o amor não tem barreiras. Ele é livre, surge para todos e aparece sob várias formas: Daniele se apaixona pela professora da filha, Antônia aceita visitas do vizinho apaixonado à noite, o capelão larga a batina para ficar com uma mãe solteira e os dois deficientes logo simpatizam um com o outro e casam.

A justiça também é um tema constante no filme. Antônia não espera por ela, mas executa-a com as próprias mãos, seja para defender seu círculo afetivo ou qualquer um que precise dela e não tenha a quem recorrer - mesmo que seus atos nem sempre sejam muito éticos. Mas quem deixaria de ser cúmplice de sua coragem quando poucos conseguem reagir?

É impossível não se sensibilizar com essas gerações de mulheres que estão muito à frente de seu tempo, que constroem um lar cheio de vida e lutam para sobreviver em meio aos destroços de uma existência sem muitos objetivos. Quando a morte chega, todos que partem vão com o coração tranqüilo, deixando apenas saudades e boas recordações.

O filme ainda conta com personagens peculiares, como a mulher que uiva para a lua cheia em busca de seu amor ou a filha superdotada de Daniele, que discute Schopenhauer aos 5 anos de idade. Os homens são mostrados como seres secundários, sem vontade própria, que são apenas conduzidos pela imposição das mulheres da casa e seus estilos de vida que vão se sobrepondo a cada geração.

A Excêntrica Família de Antônia, filme de Marleen Gorris, recebeu o Oscar de melhor filme estrangeiro de 1995, concorrendo com o brasileiro O Quatrilho (Cinestese).

Tags:

Tags

ação(16)

animação(6)

aventura(6)

comédia(19)

comédia romântica(10)

documentário(2)

drama(35)

ficção científica(2)

ficcção científica(1)

romance(4)

suspense(10)

terror(2)

todas as tags

Pesquisar em Cinema

 

Dezembro 2007

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31

Arquivos

Links

Posts recentes

Loucos de amor

Baladas, rachas e louco d...

O Pagamento

Birdy - Asas da liberdade

Estamira

A profecia

Treze homens e um novo se...

As invasões bárbaras

As Horas

Parente é serpente

A era do gelo 2

A era do gelo

Bicho de sete cabeças

Melhor é impossível

O Senhor das armas

Em seu lugar

A vida é bela

Amor à segunda vista

Com mérito

Carandiru

Dogville

Velocidade máxima 2

Velocidade máxima

A excêntrica família de A...

O especialista

Pare, senão mamãe atira!

Bossa-Nova

Um Crime de mestre

O Bicho vai pegar

O Amor custa caro

Uma relação pornográfica

O Dia depois de amanhã

Náufrago

O Xangô de Baker Street

Número 23

Dália negra

Miami Vice

Diários de motocicleta

Por um fio

O Pianista

Se eu fosse você

Cálculo mortal

Separados pelo casamento

Deu a louca na Chapeuzinh...

O Filho da noiva

MIB - Homens de preto 2

MIB - Homens de preto

Casseta & Planeta - A taç...

Homem-Aranha 3

O Quarto do pânico